sábado, fevereiro 03, 2007

Efêmero (Letícia Thompson)




Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é efêmera, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes.
Muitas flores são colhidas cedo demais.

Algumas, mesmo ainda em botão. Há sementes que nunca brotam e há aquelas flores que vivem a vida inteira até que, pétala por pétala, tranqüilas, vividas, se entregam ao vento.


Mas a gente não sabe adivinhar. A gente não sabe por quanto tempo estará enfeitando esse Éden e tampouco aquelas flores que foram plantadas ao nosso redor. E descuidamos. Cuidamos pouco. De nós, dos outros.


Nos entristecemos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosos. Perdemos dias, às vezes anos.


Nos calamos quando deveríamos falar; falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio.


Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede essa aproximação. Não damos um beijo carinhoso "porque não estamos acostumados com isso" e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro sabe automaticamente o que sentimos.


E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece e continuamos os mesmos, fechados em nós.


Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente. Cobramos. Dos outros. Da vida. De nós mesmos. Nos consumimos.


Costumamos comparar nossas vidas com as daqueles que possuem mais que a gente. E se experimentássemos comparar com aqueles que possuem menos? Isso faria uma grande diferença!


E o tempo passa...


Passamos pela vida, não vivemos. Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa.
Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás. E então nos perguntamos: e agora?!


Agora, hoje, ainda é tempo de reconstruir alguma coisa, de dar o abraço amigo, de dizer uma palavra carinhosa, de agradecer pelo que temos.


Nunca se é velho demais ou jovem demais para amar, dizer uma palavra gentil ou fazer um gesto carinhoso.


Não olhe para trás. O que passou, passou. O que perdemos, perdemos.


Olhe para frente!


Ainda é tempo de apreciar as flores que estão inteiras ao nosso redor. Ainda é tempo de voltar-se para Deus e agradecer pela vida, que mesmo efêmera, ainda está em nós.


Pense!... Se você está lendo esta mensagem é porque ainda tem tempo!!!


Não o perca mais!...

3 comentários:

GRACE disse...

A vida, amiga, é tão efÊMERA.E TANTA GENTE PERDENDO TEMPO COM ASNEIRAS.NOS ÚLTIMOS DIAS, FUI ALVO DE ATAQUE NUM BLOG POR CAUSA DOS REFUGIADOS.MEU DEUS POR QUÊ NÃO POSSO AJUDAR A QUEM ME DEU TANTO.JÔ, QUANDO EU CHEGUEI LÁ, ELES CORRERAM PARA CIMA DE MIM, EM FORMA DE ME DIZER " VC VAI ME AJUDAR!!!!!"AS LÁGRIMAS VIERAM QUANDO FUGIR DE LÁ ESCONDIDA.SIM.ESCONDIDA.TIVE QUE DIZER QUE VOLTARIA NO OUTRO DIA.ISTO EM NOVEMBRO E AINDA NAO VOLTEI.VOU FINAL DE MARÇO.E ESTA VEZ VOU TENTAR FAZZER ALGO POR ELES.E VEM UM MALUCO E TENTA DENEGRIRI MINHA IMAGEM E MINHAS INTENÇÕES.SÓ DEUS, VIU, PARA ME GUIAR...
SABE...MEU AMOR POR ESSES REFUGIADOS TRANSCENDE-ME EM TUDO...
BFSEMANA.

Naldy disse...

Concordo com o texto em gênero, número e grau.
Postei. Vem ler!

Susana disse...

Joelma !

Para Deus nao existe porcentagem ! O meu Deus 'e o Deus do impossivel, e fara o impossivel por e para voce !!
Continuo na torcida !

O texto esta lindo, lindo demais !!! Emocionante !

Quanto `as janelas do castelo... claustrofobicas sim ! Fiquei sem ar so de subir por aquelas escadas ! Lembrei da minha ressonancia !!
hehehehe

Bjs,

Susana